Glossário

A

Aceiro: faixa livre de vegetação em volta de propriedades e matas que evita a propagação de incêndios ou queimadas, além de facilitar o trânsito para fiscalização e monitoramento das áreas.

Alvejamento: mesmo que branqueamento.

Alvura: porcentagem de luz de determinado comprimento de onda refletido da superfície do produto. Papéis de alta alvura produzem maior contraste de tintas gráficas pretas e aparência mais viva de tintas coloridas.

Área de Preservação Permanente (APP): protegida nos termos da legislação, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, a fauna, a flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações locais. Estas áreas estão localizadas ao longo de rios e cursos d’água, ao redor das lagoas, lagos os reservatórios de água naturais ou artificiais, nas nascentes, no topo de morros, montes, montanhas e serras, conforme definido em lei.

Área de Reserva Legal: fração de uma propriedade rural definida em lei que deve ser destinada à preservação dos recursos naturais, dos processos ecológicos, abrigo e proteção de fauna e flora nativas. A legislação brasileira exige a preservação de áreas mananciais, além de uma porcentagem da propriedade de acordo com o bioma local. Na Mata Atlântica, por exemplo, a área mínima de preservação deve ser de 20% da propriedade, no Cerrado 35% e na Floresta Amazônica 80%.

Área Degradada: área que, por processos naturais ou pela ação do homem, perdeu a capacidade natural de gerar benefícios.

B

Bambu: gramínea nativa de algumas regiões do país. Possui rápido crescimento e boas características de fibras em determinadas espécies. Tem sido usado para obtenção de celulose branqueada e não branqueada.

Biomassa: quantidade de matéria orgânica produzida em determinada área de um terreno. A biomassa é capaz de gerar gases que são transformados em energia por meio da decomposição de materiais como esterco, madeira, restos de alimentos e resíduos agrícolas.

Bobina: papel ou cartão produzido em tira contínua, enrolada uniformemente em torno de um eixo ou tubo de papelão.

Branqueabilidade: maior ou menor facilidade de branqueamento de uma celulose depois do cozimento. Determinado pelo número de cloro ou pelo número de permanganato.

Branqueamento: tratamento químico dado à celulose, à pasta mecânica ou em alguns casos, às asparas. A finalidade é de descolorir ou remover os materiais corantes não celulósicos existentes na massa, aumentando a alvura do produto final.

C

Cal: óxido de cálcio. Utilizado na caustificação da lixívia verde nos sistemas de recuperação dos produtos químicos dos processos alcalinos.

Caldeira de recuperação: caldeira com um forno especial para queimar a lixívia preta concentrada. Na

caldeira: a água restante na lixívia é evaporada, o material sólido é decomposto em carbono, sais inorgânicos e gases voláteis e o carbono é queimado na presença do ar. A lixívia extraída do forno da caldeira é denominada lixívia verde. Durante a queima, gera-se vapor, que é aproveitado no processo. Os gases que saem da caldeira arrastam partículas sólidas que são captadas nos venturis ou nos precipitadores eletrostáticos.

Cavaco: pedaços de madeira cortados em um picador para obtenção de celulose.

Carreadores: espaço aberto para facilitar a extração de madeira.

Celulose: carboidrato de alto peso molecular. É um dos principais constituintes das paredes celulares das plantas. A polpa de celulose é usada principalmente para fabricação de papel e papelão. Conforme o tipo de árvore obtém-se a celulose de fibra curta ou de fibra longa. Essa característica torna o papel resultante mais absorvente ou mais resistente respectivamente.

Celulose de fibra curta: extraída de vegetais cuja fibra mede entre um e dois milímetros. Nesta classe estão as madeiras duras ou folhudas, das quais no Brasil o eucalipto é o mais usado, e as palhas e resíduos agrícolas, dos quais o bagaço de cana é o mais usado.

Celulose de fibra longa: extraída de vegetais cuja fibra mede acima de três milímetros. Estão nesta classe madeiras coníferas e fibras têxteis (algodão, linho, sisal, caroá, rami). Das madeiras de fibra longa a mais usada no país é o pinheiro do Paraná.

Chapa de fibra: chapas ou placas formadas por fibras de madeira aglutinadas por meio de resinas e prensadas, usadas para a produção de móveis, entre outras finalidades.

Clone ou clonagem: produção de indivíduos geneticamente iguais através de um processo natural ou de um processo induzido artificialmente, que resulta na obtenção de cópias geneticamente idênticas de um mesmo ser vivo, podendo ser originária de microorganismo, vegetal ou animal. Os clones tem, geralmente, o mesmo genótipo, isto é, o mesmo patrimônio genético.

Cloro: gás obtido da eletrólise do cloreto de sódio ou sal de cozinha e usado no primeiro estágio da sequência de branqueamento da celulose.

Colagem: o produto pode ser fabricado sem colagem, com colagem interna ou com colagem interna e superficial.

colagem interna evita ou retarda a penetração de água e outros fluidos, embora não promova impermeabilidade ou resistência à umidade nem impeça a penetração do veiculo da tinta no produto.
a colagem externa, além dos propósitos acima, melhora a resistência superficial do produto, a ancoragem da tinta gráfica, a resistência à abrasão, à tração, à dobra, etc.

Conteúdo de Umidade: quantidade de umidade contida no produto, expressa em porcentagem de peso total. As fibras absorvem água tanto internamente quanto na superfície; expandem-se ao absorver e contraem-se ao perder a água. As alterações dimensionais provocam variação mais forte no sentido perpendicular às fibras em razão do aumento de seu diâmetro. Essa é a principal causa da fuga de registro no processo de impressão. Perda de umidade para o ambiente causa encolhimento do produto nas bordas exteriores das pilhas e bobinas, tornando-as estiradas e deixando o centro frouxo. Ganho de umidade torna as bordas do produto frouxas. A fim de reduzir essas distorções, deve-se manter o produto embalado com material a prova de umidade até o momento do uso.

Corredores Ecológicos: porções de ecossistemas naturais ou seminaturais, ligando unidades de conservação e outras áreas naturais, facilitando a circulação de espécies.

Cozimento: operação realizada nos materiais celulósicos fibrosos com o objetivo específico de remover grande parte dos materiais não celulósicos, principalmente lignina, e produzir uma celulose adequada à sua utilização normal.

Cozimento duro: cozimento da madeira em que houve uma ação limitada na remoção dos materiais não celulósicos das fibras. Cozinhador: aparelhos apropriados para o cozimento da celulose, onde se coloca o material e os produtos químicos aplicando-se pressão e temperatura.

Cozinhador contínuo: aquele em que o material fibroso é alimentado continuamente por um alimentador especial e extraído pela outra extremidade por meio de uma válvula extratora. Cozinhador estacionário: cozinhador fixo não rotativo. Normalmente os cozinhadores usados para madeira são verticais, cilíndricos, estacionários.

Créditos de carbono: certificados de redução de emissões de gás carbônico recebido por empresas com atividades que sequestram carbono da atmosfera. As empresas que não conseguem reduzir suas emissões podem compensá-las com a compra desses créditos.

Cultivo mínimo: técnica de cultivo que mantém o resíduo da colheita (folhas, cascos, galhos) no terreno para, assim, agregar nutrientes ao solo, protegê-lo da erosão e preservar a umidade.

D

Depuração: fase do processo de fabricação da celulose entre a lavagem e o branqueamento, onde as impurezas são separadas da celulose nos depuradores, geralmente rotativos, e areia, separadas em separadores centrífugos.

Digestor: o mesmo que o cozinhador.

Dióxido de cloro: produto químico usado na sequência do branqueamento.

E

Efluentes: resíduos ou emissões gerados em decorrência de um processo industrial. Nas unidades industriais, cumprimos as normas nacionais e internacionais sobre o tratamento de efluentes e controle ambiental. Recuperamos os produtos químicos utilizados na fabricação de papel e celulose, que são reutilizados na produção. Os resíduos orgânicos são tratados por meio de processos biológicos para que a água utilizada nas fábricas retorne ao meio ambiente sem causar impacto.

Encanoamento: ou encurvamento do produto deve-se basicamente a três causas: diferença de estrutura entre as duas faces do produto e sua exposição à alta ou baixa umidade relativa; corte muito próximo do tubete das bobinas ou trabalho ineficiente dos desencanoadores; e aplicação de umidade na superfície do produto durante a impressão, fazendo com que ele tenda a entrar em equilíbrio com o ambiente. O encanoamento nos papéis a serem copiados é controlado na fabricação, de modo que saiam planos após sua passagem pelas copiadoras. Os papéis para impressão não devem ter encanoamento, caso contrário surgirão problemas na alimentação da máquina impressora e em equipamentos de encadernação ou de acabamento. Papéis de menor gramatura apresentam maior tendência ao encanoamento. Para evitar encanoamento, deve-se manter um correto controle de umidade e temperatura da sala de impressão ou cópia. Outra medida: levar o produto para a sala 24 horas antes de abrir as caixas ou remover as embalagens, principalmente no inverno. Papéis com grandes diferenças entre faces, como os revestidos de um só lado, são tratados pelo fabricante a fim de minimizar os efeitos do encanoamento.

Espessura: é uma consideração importante na fabricação e uso do papel. É comumente descrita como grossura ou calibre e é distância perpendicular entre as duas superfícies de uma folha simples de papel ou uma folha com mais de uma camada compactada de papelcartão, expressa em milímetros (mm) ou micra (milésima parte do milímetro).

Eucalipto: árvore de madeira dura, cujo crescimento é rápido – cerca de 6 a 7 anos no Brasil -, que se constitui na principal fonte de matéria-prima para a fabricação de pasta de celulose e de papel de fibra curta.

Evaporação: operação do sistema de recuperação, onde a lixívia negra oriunda da lavagem da massa depois de cozida é concentrada para permitir sua queima na caldeira de recuperação.

Evaporador de múltiplo efeito: nome dado ao equipamento usado para evaporar água da lixívia negra proveniente da lavagem, permitindo sua queima posterior na caldeira de recuperação.

F

Fardo: unidade em que são embaladas as matérias primas fibrosas, a celulose e a pasta mecânica para possibilitar seu manuseio e transporte.

Flash-drying: processo desenvolvido modernamente para secar a celulose, que depois de prensada mecanicamente, é desfibrada e atravessada por correntes de gases quentes em um ou mais estágios, sendo finalmente prensada.

Fibra: partícula proveniente da madeira, ou de outras fontes vegetais, empregada no processo de fabricação do papel. Podem ser curtas ou longas. As fibras de celulose curtas são provenientes de madeira dura, como o eucalipto, cujo comprimento é cerca de 1mm. As fibras de celulose longas são provenientes de madeira mole, como o pinus, cujo comprimento é cerca de 3 mm.

Floresta energética: plantios florestais, seja com espécies nativas ou exóticas, cuja finalidade primordial é a produção de energia ou biomassa de forma renovável, que substituem a madeira oriunda de florestas nativas e fontes de carbono fóssil na geração de energia.

Florestas plantadas: intencionalmente produzidas pelo ser humano e são fontes de matéria-prima para várias finalidades, contribuindo decisivamente para a preservação de matas nativas. Sua presença reduz a pressão sobre as matas nativas, permitindo a recuperação de áreas degradadas e a conservação dos solos.

Forno de cal: forno usado nos sistemas de caustificação para calcinar o carbonato de cálcio da lama de cal, que permite recuperar a cal que é usada para caustificar a lixívia verde no processo sulfato.

Formação: descreve a estrutura do produto e a maneira como as fibras estão entrelaçadas. É uma propriedade relativa, uma vez que a boa formação em um tipo de produto pode ser considerada inaceitável em outro. O produto com boa formação imprime com menos manchamento (mottling) e tem opacidade mais uniforme.

G

Gramatura: expressa em g/m², é o peso em gramas de uma folha de produto de área igual a 1 m². A gramatura influencia as demais propriedades do produto como espessura, opacidade e desempenho nas impressoras em equipamentos de conversão e no uso final. O controle de gramatura é muito importante na utilização de produtos em bobinas, uma vez que o total da área impressa obtida pode sofrer alteração.

H

Hectare: unidade de medida agrária, equivalente a 10.000 m2.

Hipoclorito de cálcio: obtido da reação de cloro gás com cal, é usado na sequência de branqueamento.

I

J

K

L

Lados feltro e tela: refere-se às superfícies de cima (lado feltro) e do verso (lado tela) do produto feito em uma máquina convencional de mesa plana. O produto formado em máquina de duas telas possui dois lados tela e apresenta diferenças muito pequenas entre as superfícies. O lado tela tem menor quantidade de carga mineral e partículas finas do que o lado feltro e por isso é mais resistente ao arrancamento e apresenta menor tendência a rachar na dobra. È o lado escolhido, sempre que possível, para impressão de áreas densas (chapados). O lado feltro, toda via, tem melhor printabilidade.

Lavagem: depois do cozimento e descarga, a massa cozida é diluída e lavada nos filtros a vácuo. A operação de lavagem serve para purificar as fibras e recuperar a lixívia residual.

Licor: o mesmo que lixívia. Pode ser preto ou verde.

Licor preto: mistura líquida que permanece após a digestão no processo de fabricação da celulose.

Licor verde: mistura líquida composta por soda cáustica, sulfeto de sódio e água que retira a lignina e protege a celulose no processo de cozimento da madeira.

Lignina: substância orgânica que forma o tecido principal da madeira, dando consistência à mesma, unindo as fibras de celulose. A lignina pode representar uma das impurezas no processo de fabricação da polpa de celulose e pode ser utilizada como combustível utilizado nas caldeiras de recuperação.

Lisura: refere-se ao nivelamento da superfície do produto e afeta tanto as propriedades funcionais quanto às de aparência. Fibras curtas produzem papéis mais lisos do que as fibras longas. A lisura é comumente medida por um teste de passagem de ar através da folha de produto. Em geral, a lisura diminui à medida que a gramatura aumenta. Os outros fatores que governam a lisura são o conteúdo de carga mineral e o grau de pressão de calandragem do produto. Um produto mais liso resulta em impressão mais nítida.

Holocelulose: é termo usado para designar toda a fração de carboidrato do material celulósico depois de removida lignina.

M

Madeiras de coníferas: termo genérico aplicado às madeiras extraídas de certo tipo de árvores da classe ginosperma. A celulose obtida desta classe de madeira é de fibras longas. No Brasil, a madeira de conífera mais usada é a do pinheiro do Paraná.

Madeiras duras: ou folhudos, é o termo genérico aplicado às madeiras extraídas de certo tipo de árvores da classe angiosperma. A celulose obtida desta classe de madeira é de fibras curtas. No Brasil, o eucalipto é a madeira dura mais usada para fabricação de celulose.

Manejo florestal responsável: é o conjunto de tecnologias e práticas de gestão capaz de conciliar o cultivo do eucalipto de forma economicamente viável, com a conservação dos recursos naturais, a preservação ambiental e o respeito às comunidades.

Máquina de secar celulose: usada para secar a celulose em folha ou rolos que permitam seu manuseio, transporte e secagem. A secagem pode ser feita em secadores convencionais ou em estufas de secagem com insuflação de ar quente. Modernamente estão sendo muito usadas as instalações de "flash-drying" para secar celulose.

Melhoramento genético: alterações provocadas na constituição genética de um organismo com o objetivo de produzir uma variedade superior dentro da espécie.

Mosaico: sistema de plantações florestais utilizado pela Suzano em que os talhões de plantio são diversificados quanto à idade e alternados com áreas de conservação, formando corredores ecológicos para que a fauna e flora possam circular livremente.

N

Número kappa: indica o grau de deslignificação da celulose em uma escala mais ampla que o número de permanganato.

O

Opacidade: medida de absorção da luz pelo produto. Quando a luz incide no produto, parte é refletida, parte absorvida e parte transmitida através do produto. A questão da opacidade é particularmente importante nas impressões frente e verso. A falta de opacidade (transparência) reduz o contraste do material impresso. Cargas minerais dispersam a luz e aumentam a opacidade do produto. Pasta mecânica e fibras não branqueadas absorvem a luz e também aumentam a opacidade.

P

Palitos: nome dado aos aglomerados de fibras que não foram desmanchadas durante a operação de cozimento e são posteriormente separados nos depuradores rotativos.

Papel alcalino: papel fabricado e meio alcalino (pH superior a 7), com resinas sintéticas e carbonato de cálcio, apresentando elevada permanência, opacidade e brancura.

Papel couché: papel convertido a partir de papel-base, revestido para impressão de um ou ambos os lados com cargas minerais e acabamento brilhante. Com revestimento nos dois lados da folha, é usado na confecção de revistas, calendários manuais, relatórios de luxo, obras de arte, livros e peças promocionais, entre outras aplicações. Quando o revestimento é feito apenas em um lado da folha, o uso é, normalmente, em embalagens, etiquetas e rótulos.

Papel cut size: termo empregado para designar o papel cortado nos formatos padronizados A4 (210 x 297 mm), Ofício 2 (216 x 330 mm), Carta (216 x 279 mm), embalados em pacotes de 100 ou 500 folhas.

Papel não revestido: papel sem camada superficial, de superfície irregular comparada ao papel revestido, que absorve a tinta mais rapidamente e produz uma impressão menos saturada.

Papel off-set: papel de impressão, com ou sem revestimento, fabricado com pasta química branqueada. Este tipo de papel pode estar disponível em muitos padrões de acabamento como liso, tecido, aspecto de antiguidade, texturado, em branco ou em cores.

Papel reciclado: papel fabricado a partir de polpa de papel usado, sem tinta e branqueado, ou a partir de aparas, que são submetidas a tratamentos que lhes conferem um elevado grau de limpeza.

Papel reciclável: refugo ou aparas separados de outros rejeitos sólidos, destinados ao reuso como matéria-prima na fabricação de papel.

Papel reprográfico: tipo de papel de escrever, não-revestido, utilizado em equipamentos de fotocópia ou impressoras de computador e em processos de reprodução por xerografia, mimeografia ou offset.

Papel revestido: papel fabricado com pasta química branqueada, revestido com uma camada de pigmentos, com acabamento brilhante ou fosco, utilizado na impressão da alta qualidade.

Papelcartão: linha de papéis para embalagens e materiais promocionais. É um produto que se diferencia dos demais papéis por apresentar alta gramatura e maior espessura e rigidez.

Pasta de madeiras: Mesmo que pasta mecânica.

Pasta mecânica: material obtido da madeira, onde a madeira cortada em toras de tamanho adequado, descascada e limpa, é pressionada de encontro a uma pedra rotativa, geralmente de natureza sintética. Geralmente, a pasta depois de sair do moinho passa em um depurador plano, onde são removidas as lascas e pedaços de madeira. As instalações mais evoluídas possuem ainda depuradores rotativos que funcionando a baixa concentração, removem os palitos, e separadores centrífugos para remoção de areia. A qualidade final da pasta depende da madeira, do tipo de pedra ou disco, e do modo como a moagem é efetuada. As características principais da pasta são a uniformidade, cor, limpeza, grau de desaguamento, e a resistência das fibras.

Pasta mecânica cozida: pasta obtida da madeira que foi tratada com vapor em autoclaves antes da moagem.

Pasta mecano-química: pasta obtida por processos convencionais, onde as toras de madeira recebem uma impregnação com produtos químicos. O processo é empregado especialmente para madeiras duras, resultando em uma pasta que substitui a pasta mecânica convencional de coníferas.

Pasta química: pasta soda a frio ("cold soda"). Obtida por uma variante do processo mecano- químico modernamente usado para madeiras duras. Normalmente segue-se um alvejamento para melhoria da cor.

Peneiro de cavacos: peneira horizontal usada para classificar os cavacos de acordo com seu tamanho e separar lascas e pedaços de madeira. São usadas em um ou dois estágios.

Peso da celulose: considera-se para a celulose seu peso seco absoluto e seu peso seco ao ar. Comercialmente, a celulose é sempre vendida por seu peso seco ao ar.

Peso seco absoluto: peso da celulose descontada sua umidade total.

Peso seco ao ar: peso da celulose na relação 90 - 100 de umidade. É o peso pelo qual a celulose é internacionalmente comercializada.

Picador: Máquina que corta a madeira de encontro a uma contrafaca ou batente em cavacos.

Processos de obtenção da celulose: processos químicos para obter a celulose. Removem-se das fibras do vegetal grande parte dos materiais não celulósicos, principalmente lignina. Do processo em si são descritas as operações de cozimento, depuração, lavagem, branqueamento, além dos equipamentos envolvidos.

Produtividade florestal ou incremento médio anual: é a taxa de crescimento anual em volume de madeira de uma determinada área de plantio.

Porosidade: define a resistência do produto à penetração do ar. Papéis não revestidos tem moderada porosidade; papéis revestidos são relativamente não porosos. O grau de porosidade do produto depende do modo de fabricação. Produto constituído de fibras longas é mais poroso que aquele que contém apenas fibras curtas. A porosidade afeta a absorção do veiculo das tintas gráficas e a penetração de adesivos e vernizes.

Q

R

Receptividade de Tinta Gráfica: ou absorção. É a propriedade que determina a quantidade e a velocidade com que a tinta gráfica penetra no produto. O grau de absorção da superfície do produto influi no processo de secagem das tintas e nos fenômenos relacionados com a secagem. Absorção elevada absorve rapidamente os componentes fluidos da tinta e evita o efeito de blocagem; baixa absorção promove ancoragem e brilho. O ponto de equilíbrio não é bem delimitado e depende de outras variáveis além do produto. Por isso, as propriedades da tinta devem ser ajustadas ao produto que, por sua vez, deve aceitar uniformemente a tinta gráfica. Produto muito liso e pouco poroso requer e absorve menor quantidade de tinta.

Reciclato®: primeiro papel 100% reciclado produzido em escala industrial no Brasil a partir de aparas pré e pós-consumo. Sua composição é constituída por 75% de aparas pré-consumo (refugo) e 25% pós-consumo (material oriundo da coleta urbana). Parte da receita obtida com a sua venda é revertida para os projetos sócio-ambientais do Instituto Ecofuturo.

Report Carbono Zero®: produto da linha de papel cortado, que tem toda a emissão de carbono gerada durante a sua produção compensada através da restauração de florestas nativas da Mata Atlântica.

Report no Alvo da Moda®: produto da linha de papel cortado, desenvolvido em parceria com a campanha “O Câncer de Mama no Alvo da Moda” cuja renda obtida é destinada ao licenciamento de projetos do Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (IBCC).

Report Senninha®: produto da linha de papel cortado, com apelo social, cuja renda para o licenciamento do uso do personagem é revertida para ajudar crianças e adolescentes atendidos pelo Instituto Ayrton Senna. Disponível em embalagens com 100 folhas, nas cores: branco, azul, amarelo, verde, rosa e salmão.

Resíduo florestal: ou resíduo da colheita é todo material florestal orgânico que permanece no campo logo após a colheita, podendo ser casca, copa das árvores ou galhos.

Resistências mecânicas: são medidas pelos testes de resistência a estouro, rasgo, tração e dobra. Todos os papéis a serem impressos necessitam de resistência para rodar nas impressoras a velocidades normais.

Resistência ao estouro: pressão hidrostática necessária para romper o produto quando este é submetido a um esforço constante e uniformemente distribuído, aplicado em um de seus lados. Considerado um indicador geral de resistência do produto, está associado à rigidez e à tensão de ruptura. A resistência ao estouro diminui à medida que o conteúdo de carga mineral aumenta.

Resistência ao rasgo: esforço necessário para rasgar o produto em uma distância fixada depois de o rasgo ter iniciado. O produto tem maior resistência ao rasgo na direção perpendicular às fibras (transversal). Quanto mais longa a fibra, maior a resistência ao rasgo.

Resistência à tração: máxima tensão que o produto suporta, sob condições determinadas, antes de se romper. De pouca importância para o caso de papéis em folhas, é fundamental em aplicações de papéis em bobinas.

Resistência à dobra: número de dobras duplas que o produto suporta sob tensão antes de se romper. Em geral, há maior resistência no sentido perpendicular às fibras. Fibras longas, com elevado grau de entrelaçamento, produzem papéis mais resistentes à dobra. O conteúdo de umidade influencia fortemente a resistência.

Resma: pacote com 500 folhas de papel.

Rigidez: capacidade do produto de resistir à flexão causada pelo próprio peso. Determinada pela relação entre gramatura e espessura do produto. Teoricamente, a rigidez do produto varia ao cubo da espessura, isto é, se a espessura for duplicada a rigidez aumenta oito vezes. A rigidez diminui à medida que aumentam o conteúdo de carga mineral, o conteúdo de umidade e o grau de calandragem do produto. Papéis de baixa gramatura geralmente causam problemas de alimentação nas impressoras, por isso, são alimentados com o sentido de fibra contrário ao recomendado. Todos os papéis são mais rígidos quando dobrados transversalmente ao sentido de fibra.

S

Separadores centrífugos: são usados para separar areia e impurezas pesadas na depuração da celulose.

Sequestro de carbono: carbono capturado e mantido pela vegetação durante o crescimento.

Silvicultura: ciência aplicada ao cultivo, à manutenção de florestas e à exploração dos recursos florestais.

Silvicultura de precisão: um conjunto de tecnologias e procedimentos (dipositivos eletrônicos instalados nas máquinas ou nos implementos) aplicável a diversas etapas do cultivo de diversas culturas, como a de eucalipto; e tem como objetivo aumentar a eficiência do manejo da cultura através de um cultivo cutomizado para cada unidade de área, gerando informações antes e durante as operações.

Sistema de caustificação: operação no processo sulfato (reagir cal com lixívia verde clarificada) para formar soda e carbonato de cálcio. Uma instalação completa de caustificação abrange a conversão do carbonato de sódio em hidróxido de sódio, a clarificação da lixívia branca obtida e a recuperação da cal por calcinação da lama de cal.

Sistema de recuperação: conjunto de operações para a recuperação dos produtos químicos empregados no cozimento. O ciclo de recuperação inicia-se na lavagem (lixívia negra do cozimento é extraída), indo para a evaporação (a fim de ser concentrada para sua queima na caldeira de recuperação). A lixívia verde extraída da caldeira é clarificada e vai para a caustificação, formando a lixívia branca que, depois de clarificada, é armazenada para ser novamente usada no cozimento.

Soda: O mesmo que hidróxido de sódio.

Sulfato de sódio: na caldeira de recuperação é usado para recompor as perdas no processo sulfato. É reduzido em presença do carbono, formando o sulfeto de sódio e desprendendo gás carbônico.

Sulfeto de sódio: formado na caldeira de recuperação no processo sulfato. Forma com o hidróxido de sódio a lixívia branca ou licor de cozimento do processo sulfato.

Sentido de fibra: alinhamento das fibras. Chama-se direção de máquina ou longitudinal quando seu fluxo na maquina se dá na direção da fabricação do produto. A direção perpendicular a esta é a transversal. O efeito combinado de direção das fibras e variação de umidade exerce influência direta no resultado do produto impresso. Nas impressoras off-set planas, o produto deve ter o sentido de fibra paralelo aos cilindros da impressora. Com o sentido contrário, o produto apresenta maior rigidez e desempenho, principalmente quando de baixa gramatura. O produto dobra mais facilmente e tem menor tendência a rachar na dobra quando esta é paralela às fibras. Por isso, na encadernação, as fibras devem ficar paralelas à lombada do livro. Isso evita ondulações ou distorções e permite manter o livro aberto por si só.

T

Talhão: área de plantio com as mesmas características e que recebe um mesmo processo de silvicultura (manejo).

U

Umidade da celulose: diferença entre o peso da amostra considerada e o peso da mesma amostra seca em estufa até peso constante. Comercialmente ela é usada para calcular o peso seco ao ar e o peso seco absoluto.

Uso múltiplo da floresta: manejo da floresta que visa a exploração dos diversos recursos ou produtos que a floresta pode oferecer, de modo que sejam utilizados numa combinação que melhor atenda as necessidades econômicas, sociais e culturais da população, com desgaste mínimo dos recursos básicos do solo e dos demais fatores ambientais.

V

Viveiro: local de origem da maior parte das mudas utilizadas pela Suzano no plantio de eucaliptos. A Suzano possui atualmente viveiros localizados nos estados de São Paulo, Bahia, Maranhão e Piauí.

W

X

Y

Z

Última atualização em
Topo

Fechar