A dívida bruta, em 31/12/2013, era de R$ 12,9 bilhões. A dívida em moeda estrangeira representou 55,8% da dívida total da Companhia e em moeda nacional 44,2%. A Suzano contrata dívida em moeda estrangeira como hedge natural, uma vez que cerca de 50% das receitas são advindas de exportações. Essa exposição estrutural permite que a Companhia contrate financiamentos de exportações em Dólares e concilie os pagamentos dos financiamentos com o fluxo de recebimentos das vendas.

A dívida bruta verificada no período aumentou 7,8% na comparação com setembro/2013, explicada pela contratação de linhas de financiamento. O saldo a desembolsar da linha de crédito do BNDES para o projeto Maranhão é de cerca de R$ 550 milhões.

A dívida bruta, em 31/12/2013, era composta por 92,2% de vencimentos no longo prazo e 7,8% no curto prazo. Em dezembro de 2013, o custo médio da dívida em Reais era de 9,2% a.a. (vs 8,7% a.a. em dezembro/2012) e em Dólar era de 4,8% a.a. (vs 5,5% a.a. em dezembro/2012). O prazo médio da dívida consolidada no encerramento do trimestre era de 4,5 anos (vs 4,6 anos em dezembro/2012).

A relação dívida líquida/EBITDA Ajustado ficou em 5,2x, resultado: (i) do incremento de R$ 842,9 milhões no endividamento líquido no trimestre, (ii) do incremento de R$ 116,0 milhões no EBITDA Ajustado de 2013 vs o EBITDA dos últimos 12 meses findos em 30/09/2013; e (iii) do gerenciamento do capex do projeto Maranhão, sem comprometer o avanço físico da obra.

 

 



 

Última atualização em 14 de março de 2014.